NOTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ARRITMIAS CARDÍACAS – SOBRAC

Alterações cardíacas secundárias ao uso de Cloroquina

 

A cloroquina, agente anti-malárico e imunomodulador, tem sido amplamente utilizado para o tratamento de doenças reumatológicas e tem sido divulgada como tratamento promissor do COVID-19. Contudo, possíveis efeitos colaterais como retinopatia, neuropatia, miopatia e alterações cardíacas podem ocorrer.

À semelhança de medicamentos como amiodarona e clorpromazina, a cloroquina acumula-se nos lisossomos inibindo diretamente suas enzimas e elevando o pH lisossomal resultando na formação de corpúsculos de inclusões citoplasmáticas. Com isso, pode promover redução significativa na velocidade do potencial de ação das células do sistema excito-condutor do coração, prolongando sua duração e aumentando o período refratário das fibras de Purkinje. Por este motivo, a cloroquina tanto pode ter efeito antiarrítmico quanto provocar o surgimento de arritmias graves.

Não estão estabelecidas relações com a dose ou tempo de exposição à cloroquina para que ocorram alterações clínicas e histopatológicas e tampouco se predisposições individuais ou genéticas são necessárias para a sua ocorrência, mas a melhora da disfunção cardíaca após a suspensão do medicamento já foi descrito em pacientes que desenvolveram miocardiopatia.

A alteração eletrocardiográfica mais usualmente documentada é o bloqueio fascicular que pode evoluir para bloqueio atrioventricular total, potencialmente fatal. O prolongamento do intervalo QT também pode ocorrer, predispondo o indivíduo a taquicardia ventricular polimórfica, aumentando o risco de morte súbita.

O diagnóstico da toxicidade pela cloroquina é confirmado pela biópsia endomiocárdica com estudo ultraestrutural por microscopia eletrônica de transmissão. Os achados clássicos consistem em células vacuolizadas apresentando numerosos e grandes lisossomos secundários contendo um material denso de estrutura lamelar, corpos mielínicos e curvilíneos, com desorganização da estrutura miofibrilar.3 Necrose de células musculares cardíacas também pode ocorrer. Estas alterações, sendo preferencialmente encontradas no septo cardíaco, podem acometer o sistema excito-condutor.

O perfil farmacológico da cloroquina é bastante seguro e o seu uso, especialmente em doenças reumatológicas, confere muitos benefícios com raras complicações importantes. Entretanto, o uso indiscriminado e sem acompanhamento médico e também a exposição a possíveis interações com outros medicamentos, podem expor o indivíduo a efeitos adversos graves.

__________________________________

1. Meinão IM, Sato EI, Andrade LEC, Fenaz MB, Atra E. Controlled trial with chloroquine diphosphate in systemic lupus erythematosus. Lupus 1996; 5 : 237-41

2. Tracy JW, Webster Jr LT. Drugs used in the chemotherapy of protozoal infections. In: Hardman JG, Limbird LE, ed. Goodman & Gilman’s The Pharmacological Basis of Therapeutics. 9th ed. New York: McGraw-Hill; 1996: 965-85.

3. Teixeira RA, Filho MM, Benvenuti LA, Costa R, Pedrosa AA, Nishióka SAD. Cardiac damage from chronic use of chloroquine. A case report and review of the literature. Arq Bras Cardiol 2002; 79 : 85-8.

4. Siqueira-Batista R, Ramos Junior AN, Pessanha BS, Sforza-de Almeida MP, Potsch DF. Chloroquine and cardiac arrhythmia: case report. East Afr Med J 1998; 75: 117-9.

5. Naqvi TZ, Luthringer D, Marchevsky A, Saouf R, Gul K, Buchbinder NA. Chloroquine-induced cardiomyopathy-echocardiographic features. J Am Soc Echocardiogr. 2005 Apr;18(4):383-7.

6. Jurik AG, Møller P. Atrioventricular conduction time in rheumatoid arthritis. Rheumatol Int. 1985;5(5):205-7.
Chen CY, Wang FL, Lin CC. Chronic hydroxychloroquine use associated with QT prolongation and refractory ventricular arrhythmia. Clin Toxicol (Phila). 2006;44(2):173-5.
 

Compartilhe:
FacebooktwitterlinkedinFacebooktwitterlinkedin

Busca no site: