Desafios em Eletrocardiografia

Avaliação de ECG, o que pode-se afirmar?

Muhieddine Chokr / Cristiano Dietrich

O Caso
Paciente de 37 anos, após atividade física iniciou com quadro súbito de palpitações taquicardias tendo procurado pronto socorro para avaliação. No PA deu entrada com FC=200pbm e PA: 90/60mmhg. Após avaliação inicial do ECG ( Figura 1) realizado adenosina 6mg IV em Bolus com documentação e registro do ECG da ( Figura 2) o qual foi autolimitado.

Figura 1.

Figura 2.

Após o registro do ECG o plantonista optou por prescrever amiodarona 300mg IV em 60 minutos com reversão da arritmia para ritmo sinusal. Pode se afirmar:

Carregando ... Carregando ...


Discussão:

Resposta E

Figura 3

  1. A) Pre-excitação B)  TAV ortodromica   C)  TAV antidromica   D) FA pré excitada
O ECG da figura 1 demonstra uma fibrilação atrial de alta resposta ventricular com QRS estreito, nessa condição clínica a adenosina não possui aplicabilidade. Após sua infusão, a Figura 2 revelou a existência de uma via acessória de localização póstero septal, a qual se tornou manifesta pelo bloqueio do nó átrio ventricular causado pelo fármaco. Observe que durante a taquicardia da figura 1 a resposta ventricular é bem maior que a da figura 2 e que em ambos os traçados o paciente esta em fibrilação atrial. A provável razão pela qual nenhum batimento da FA é conduzido pela via acessória durante a FA de alta resposta, se deve ao período refratário da via acessória ser bem maior que o do nó AV e dessa forma ela não se tornar evidente no ECG da figura 1. Somente após o bloqueio do nó AV, ocorreu a pré excitação máxima de forma transitória e autolimitada. Esse paciente apresentou uma FA pré excitada autolimitada fármaco induzida, e como registrado na figura 1; o fato do paciente não

apresentar batimentos conduzidos pela via acessória de forma espontânea, já o estratifica como de baixo risco para morte súbita. Teoricamente pacientes com TPSV causada por uma TAV ortodromica ( Esquema B da figura 3), podem apresentar fibrilação ventricular após infusão de adenosina, por que se houver a existência de pré-excitação ventricular manifesta, e essa for de período refratário curto ( inferior a 250ms), caso ocorra fibrilação atrial causada pelo encurtamento do período refratário atrial secundária a adenosina, essa pode ser transmitida ao ventrículo por condução antidrômica e resultar em fibrilação ventricular. Apenas com os achados da figura 2 não se pode afirmar a existência de múltiplas vias. O bloqueio do nó AV e não o encurtamento do período refratário atrial justifica o ECG da figura 2. A fibrilação atrial pré excitada que ocorre de forma espontânea , a anomalia de Ebstein e a existência de taquicardia átrio ventricular antidrômica, se correlaciona com a maior probabilidade da existência de múltiplas vias.

A figura 3 foi à registrada após a reversão da FA para ritmo sinusal.

Observe que as ondas Q na parede inferior simulam um infarto inferior prévio, quando na verdade se trata de uma via acessória póstero septal.


Referência bibliográfica

2 commented on “Avaliação de ECG, o que pode-se afirmar?

  • Peralva Delgado Jr Diz:

    No primeiro traçado teria feito o diagnóstico de taquicardia ortodrômica com condução AV retrógrada por via acessória. Existem características como: alternância elétrica, ritmo com boa vontade regular e um RP' prolongado, simulanto ondas T negativas em parede inferior. Com a infusão de adenosina, houve aumento da refratariedade do nó AV, e o surgimento de uma FA com condução AV pela via acessória. Este teria sido o meu pensamento a respeito.

  • Dr Hugo Leonardo Gonçalves Pinto Diz:

    Analisando o traçado do eletrocardiograma em TSV, observa-se que este Individuo apresenta uma provável via anômala ,com a presença de Rp’ linha longo e oscilacao da amplitude do QRS ,denotando esta característica da arritmia supra ventricular associada a pré excitação . Após a infusão de Adenosina EV, ocorre o bloqueio do nodo AV, promovendo características de fibrilação atrial , com evidência do eletrocardiograma mostrando morfologia de WPW , denotando a via anômala ou a possibilidade de múltiplas vias anômalas. Excelente caso clínico!! Uma ótima oportunidade para desenvolver o raciocínio clínico nesse tipo de patologia arrítmica!!

Deixar um comentário

Seu email não será visível para os visitantes, campos com (*) são obrigatórios

* *